quinta-feira, 10 de janeiro de 2008

Diários da minha vida I (1ª parte)

O primeiro diário, começa a 16 de Novembro de 1990 e termina a 29 de Agosto de 1994, não é escrito frequentemente (graças a Deus) e apanha qualquer coisa entre os meus 13 e os 16 anos, (ou seja a idade critica).
O diário ainda estava na sua caixa original, e continha por baixo da suposta armação de papel para centrar o mesmo na caixa, uma extensa colecção de cartas escritas pela Guida com tolices nossas, papeis esquecidos para entregar no dia X, (tínhamos a mania de escrever papeis dobra-los e escrever por fora entregar no dia (25 de Agosto de 1999), ou entregar no dia do meu casamento, ou seja, Guida tenho por aqui uns papelitos em atraso para te entregar), publicidade da associação de estudantes da ESF, papeis de Rebuçados, papelinhos daqueles que se passavam durante as aulas e afins.
Em relação ao próprio do diário a primeira coisa que tenho a dizer sobre mim é que era realmente muito estúpida, era a típica adolescente tola que tanto hoje estava apaixonadíssima pelo Rui Jorge, como para a semana pelo Filipe Escobar. Na altura andava na escola com a Gisela, éramos espertas, não precisávamos de estudar muito e tínhamos muito tempo livre, passávamos o nosso tempo livre a seguir os rapazes a que achávamos piada, só para sabermos onde moravam.
Consigo descobrir nesta Obra Prima da literatura trechos como:
“Na hora em que não tivemos Físico-Química a Ana2 para me voltar a fazer ciúmes agarrou-se ao Ricardo Jorge e nunca mais o largou, e ele aproveitou claro, quem é que não aproveitava a Ana com aquelas montanhas de Maomé. Mas acho, que também foi para a Ana lhe continuar a dar rebuçados na aula”
“Hoje descobri que a Cláudia também gosta do Ricardo Jorge, claro Eu não me admiro, ele é tão querido com aquelas borbulhas todas na cara, e quando veste as Jardineiras fica a matar, é o que todas nós achamos” (adenda: todas nós sou Eu, a Gisela e a tal Cláudia, que eu não me lembro quem era, assim como não me lembro quem era o desgraçado do Ricardo Jorge, mas lembro-me quem era a Ana2 que tinha umas mamas enormes, só que um dia no balneário fiquei em estado de choque quando a vi sem soutien (as mamas eram super descaídas, no sitio das mamas tinha pele e as mamas iam até à barriga, ora eu com 13 anos nunca tinha visto uma rapariga da minha idade com mamas assim)).
“Nasceu-me uma borbulha enorme no nariz, quinta-feira faço anos, se ela ainda perdurar suicido-me” (Realmente a caminho dos 15 anos Eu não sabia o que eram problemas)
Expressões estúpidas que eu usava (nem acredito):
-Eles foram MONTES DE PORREIROS (os meus pais)
-VAI MORRER quando souber…
-MONTES DE BARIL
-GAJOS BUEDA BONS
-O meu pai REAGIU SUPER BEM
-À BUÉS que não escrevo
-NÉPIA-VAI SER BACANO

10 comentários:

Sara disse...

Eu nunca escrevi um diário assim numa base muito regular. Acho que em toda a minha vida só tive um e escrevi umas 10 páginas, se tanto. E depois, com as mudanças de casa, fui sempre deitando esse tipo de coisas fora, sendo que agora não tenho nada que me lembre a minha infância/adolescência.
Mas a minha melhor amiga guarda tudo religiosamente. E é tão giro, 16 anos depois andar a ler o que escrevemos uma à outra durante as aulas em papelinhos e não só, ihihih!

Isabel disse...

Só me fazes rir Sofia...

Tella disse...

Lindo!

Rute T. disse...

ah ah! Fabuloso. Eu no outro dia também descobri em arrumações dois dos meus diários! É com cada história. rebolei a rir!

Beijinho!
rute e gonçalo

Mãe da Tiz disse...

Não consigo parar de rir... Ainda bem q nunca me deu para escrever em diários....

Beijos

LadyBug disse...

Aqui está a justificação de eu nunca ter feito nenhum diário... depois ia-me rir de mim própria :)Outra justificação é k axo k os nossos diários são as nossas cabeças...o problema é se me chega o alzheimer... k se lixee!
xau
bjinhos

Estela disse...

Este diário é uma verdadeira obra prima e isto está montes de baril!!!!
À bués que não comentava o teu blog, mas este vale mesmo a pena!!!!

Atenção à gramática.

Beijos grandes,
Te

Mary disse...

Chorei a rir... também tenho uns desses ainda na casa dos meus pais (olha o perigo!), mas vou ter de ir lá resgata-los...

Guarda-os agora para quando a Madalena tiver 13 anos, pode ser que te ajude a reagir super bem e a ser montes de porreira! LOL

Papoila disse...

Ai Sofia o que eu já me ri!!!!!
LINDO!
“Hoje descobri que a Cláudia também gosta do Ricardo Jorge, claro Eu não me admiro, ele é tão querido com aquelas borbulhas todas na cara" LOL :DDDDD
Quem é que não foi assim, hum? Quem? Tu tinhas um Ricardo Jorge (belo nome....), eu tinha um Nuno Florêncio... (bem melhor :D)
Tenho que ir procurar os meus diários, ai tenho tenho....

sofia disse...

Papoila, Nuno Florencio, bate aos pontos a Ricardo Jorge
Estela, a gramática é cópia literal do diário
Joana, o alzheimer já cá chegou, ola o tal Paulo com que eu dei umas curvas por mais de um ano, e que toda a gente se lembra da cara dele menos eu.